Como casar em Petrópolis – III

Inspirando / Preparativos

bride-727004_1920

Dando sequência ao último post (se você ainda não leu, clica aqui), a organizadora de eventos Vívian Lahr, da M Eventos apresenta aqui outros 5 elementos que devem ser refletidos pelos noivos para uma boa organização do seu casamento. Essas dicas são bacanas também para quem não vai casar longe de casa e até para quem não casará na cidade de Petrópolis, sempre!

6. Esse casamento é de quem?

A gente retoma ao 1.º e ao 2.º elementos apresentados no post passado para pensar nisso, e é um pouco o que você já disse no 1.º post deste especial: “Esse casamento é de quem?  É meu e do meu noivo? Nós é que vamos bancar, ou é do meu pai e da minha mãe que estão me ajudando a casar?” Porque há 20 anos para trás o casamento era feito pelos pais dos noivos, então você tinha uma parcela de convidados dos noivos e, principalmente, dos pais. Hoje em dia esse perfil veio mudando, o casamento é dos noivos. Eles bancam tudo ou a maioria das coisas. Atualmente temos os convidados dos noivos como maioria, seus amigos, os parentes que eles gostam e às vezes esbarramos com pais muito conservadores que acham que vocês precisam convidar aquele vizinho que viu vocês nascerem, seu primeiro pediatra…

É legal ter esse diálogo aberto antes, com calma, leveza e harmonia, negociando, para não empurrar isso para dois meses antes quando vocês começarem a entregar convite. Para que sua mãe não fique arrasada por você não convidar quem ela queria e nem você ter que convidar pessoas que você não queria. Para que a sua lista não cresça muito às vésperas do casamento, ultrapassando o limite do orçamento e dos serviços contratados. Para que seus pais se sintam participantes, e não como convidados, interferindo até o limite que vocês estipularem.

7. O casamento é teu!

Não se deixem contaminar com coisas que ditam para vocês, que é a “regra”, do tipo “Ah, mas não é tradicional fazer isso”, “Mas no da tua irmã eu fiz isso! Por que que no seu não vai ter?”. É o momento de vocês! Nada mais justo ele ser do jeito que vocês sonharam e do jeito que estão pagando para ser. Vejo noivas que queriam que o bolo fosse de chocolate e a mãe disse que não pode, porque acha que bolo de casamento tem que ser bolo branco. Quem disse? E o casamento é de quem? E para falar a verdade, o bolo de chocolate todo mundo come… Eu sou a favor do seguinte: o que é o melhor? É aquilo que você gosta. Qual o melhor jeito de fazer o casamento de vocês? Do jeito de vocês!

8. O melhor profissional para você

Quando me perguntam qual é a melhor boleira de Petrópolis, por exemplo, digo que isso é relativo. Então eu apresento os nomes que as pessoas falam muito bem e que muitas noivas escolhem. Se eu estiver fazendo a assessoria completa, marco com todos, ou com aqueles que os noivos escolherem, para conhecerem e decidirem; se eu estiver apenas com o cerimonial do dia, passo os contatos e vou orientar para que agendem e provem, conheçam seus produtos. O que gostarem mais, será o melhor! E que pode ser diferente do melhor da outra noiva.

É bom também priorizar os serviços que vocês julgam mais importantes, para investir neles; sem aceitarem qualquer orçamento de profissionais com quem vocês não se identificaram ou só pelo preço. Busquem profissionais que caibam no padrão de qualidade e orçamento de vocês.

9. Cuidado com os modismos

O que é moda, cai. Muda. Daqui há um ano, quando você olhar para o seu álbum, pode ficar bem arrependida por ter feito isso ou aquilo, se não for um real desejo seu. Cuidado com as “firulas”, porque elas podem consumir rápido o seu orçamento. Elas são tentadoras, mas desviam o foco do que é importante, aí depois vão precisar economizar nos itens que elegeram como essenciais. Faça o que é da tua essência e não porque você está vendo em todos os casamentos e você foi levada pela onda de alguém. E geralmente a moda é mais cara…

10. Leia os contratos!

Tem noiva que é só sonho, sentimento… Mas como eu é que lido com a parte burocrática, saliento: É legal observar multas contratuais, quaisquer exceções, regras… Às vezes você assina o contrato sem se dar conta de que havia uma cláusula que, depois do casamento, pode dar uma dor de cabeça… Tem buffet que vai te cobrar por cada copo quebrado, tem buffet que isso já está previsto no orçamento. Ou delegue essa função de observação dos contratos: uma cerimonialista vai te chamar a atenção para os pontos importantes.

E, surpresa! Tem dica extra! Não é uma dica essencial para a organização do dia do casamento, é sobre o pós-casamento:

Não viajar para a lua-de-mel na manhã seguinte do casamento

Deixe o dia seguinte para você acordar mais tarde, sem preocupação com horário de voo, de fazer mala… Ainda mais que tem uma serra para descer, se você for precisar de aeroporto para viajar. Almoce com os seus! Porque no dia seguinte vai estar todo mundo falando do seu casamento e é bom aproveitar esse momento, reviver, ouvir histórias que você não pode ver, coisas engraçadas que aconteceram, as lembranças, as opiniões… Se você for viajar, vai estar todo mundo conversando sobre isso sem você, e quando você voltar vai estar doida para falar sobre o assunto, e ninguém mais vai estar motivado a falar. Sem falar que terá a sobra do bolo, do docinho, do bem-casado…